Formação Profissional - Porque devem as empresas investir

O papel predominante que a formação profissional em geral e o sistema DUAL em particular têm na Alemanha e no desenvolvimento da sua economia, deve-se principalmente às muitas vantagens que o sistema oferece para todos os envolvidos: empresas, jovens, estado e sociedade.

E em Portugal, deverão as empresas assumir um papel ativo na formação profissional? Não será a formação um investimento rentável para o futuro? Comparando os custos e os benefícios que a formação profissional representa para as empresas, o balanço final não será positivo?

Benefícios para as Empresas.

A qualificação contínua contribui para um sistemático desenvolvimento dos colaboradores das empresas, a médio e a longo prazo, reduzindo ainda a exposição destas às flutuações do mercado laboral. Recrutar pessoal externo especializado é mais caro e consome mais tempo do que formar o pessoal interno. A formação interna também ajuda a minimizar o risco de se contratar a pessoa errada para o lugar, com todos os custos acrescido que isso implica.

A formação dual, por outro lado, proporciona às empresas um benefício a curto prazo, já que formando irá contribuir para o seu desenvolvimento já durante a sua formação prática. No final da formação, se a empresa contratar o formando (e este é objetivo!), ele poderá aplicar de imediato os conhecimentos que adquiriu na formação, de forma rápida e eficiente, pois está familiarizado com as especificidades dos processos, métodos de trabalho, produtos e serviços da empresa, bem como com filosofia e a cultura da empresa. Durante vários anos (no mínimo dois), o formando aprendeu em conjunto com os colaboradores da empresa e de acordo com as necessidades específicas do mercado de trabalho.

A formação é o melhor caminho!

Do ponto de vista das empresas, os benefícios da formação são vários. Formar o próprio pessoal é o melhor caminho para familiarizar os seus colaboradores com a cultura e os objetivos da empresa e prepará-los para as especificidades dos seus processos. Os processos de decisão e de trabalho são conhecidos e os investimentos têm maior retorno, porque não é necessário formar permanentemente novo pessoal. Adaptações ou alterações à produção, a curto prazo, tornam-se desta forma muito mais fáceis.

Na opinião das empresas, o seu valor sobe significativamente quando há uma aposta na qualificação dos seus colaboradores, feita à medida das suas necessidades.

A formação aumenta a competitividade das empresas e ajuda a prevenir riscos. Além disso, as empresas melhoram a sua capacidade de adaptação, do ponto de vista técnico e económico, mas também do ponto de vista de renovação e inovação.

Muitas empresas em Portugal já apostam fortemente na formação dual e na qualificação contínua dos seus colaboradores. De seguida são apresentados alguns casos, com as vantagens a serem apresentadas na primeira pessoa.

Agility Transitários Lda.

A Agility Transitários aposta na qualificação dos seus colaboradores, não somente para o desenvolvimento de competências em áreas-chave para o sucesso da organização, mas também com o intuito de tornar os colaboradores mais aptos e motivados para desempenhar eficazmente a sua função.

A parceria que temos com a Dual, o serviço de qualificação profissional da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã já ultrapassou uma década. Anualmente acolhemos estagiários do Curso Técnico de Transportes e Técnico de Apoio à Gestão por serem as áreas de formação que melhor se coadunam com a nossa atividade. Para nós é gratificante formarmos um colaborador desde tenra idade, 16 a 18 anos, adaptá-lo à cultura e aos procedimentos de trabalho da empresa. Historicamente, salvo raras exceções, os estagiários que realizam a sua formação prática na Agility, findo o curso são integrados nos quadros da empresa, proporcionando-lhes o desenvolvimento da sua carreira profissional na nossa organização.

No caso da formação dos nossos ativos, a formação contínua intraempresa é sem dúvida a mais eficaz, dado que permite ajustar os conteúdos programáticos às reais necessidades dos colaboradores.

DB Schenker Portugal

No atual contexto socioeconómico, num ambiente de acelerada mudança e de novas exigências, as dinâmicas de ajustamento produtivo recomendam um investimento maciço na qualidade dos nossos colaboradores.

O desenvolvimento de competências ou a aquisição de conhecimentos relevantes para a função e para o desenvolvimento pessoal e da própria organização, representam um desafio estratégico fundamental para a inovação, aumento da qualidade do serviço prestado e da própria diferenciação nos mercados. Encaramos a formação como um ativo essencial para a promoção do crescimento, impactando o desenvolvimento da empresa nos vetores de crescimento a médio e longo prazo.

A vasta e contínua experiência da DB Schenker, no sistema dual, teve início há alguns anos, ao proporcionarmos a oportunidade de jovens estagiários contactarem, na primeira pessoa, com a realidade empresarial, tendo consciência do fator social implícito nesta ação, mais ainda quando encaramos, atualmente, uma elevadíssima taxa de jovens desempregados.

Valorizamos, desta forma, a empregabilidade de jovens, favorecendo o seu amadurecimento e potenciando o desenvolvimento de competências chave dentro de uma futura empresa empregadora, quer seja por transmissão de conhecimentos práticos, comportamentais ou mesmo interculturais. Potenciamos à maioria destes jovens o ingresso direto no mercado de trabalho, quando após os dois anos de estágio, são convidados a permanecer na DB Schenker, enquanto colaboradores.

Consideramos que a qualificação dos nossos colaboradores é um recurso fundamental para o desenvolvimento da empresa e que esta qualificação deve estar enquadrada com a estratégia da empresa. Por esse motivo é fundamental conceber e planear a formação tendo em conta as necessidades da empresa, da sua envolvente e do próprio colaborador. Uma formação intraempresa, organizada e adaptada especificamente à nossa realidade, permite-nos uma melhoria efetiva dos nossos índices de produtividade e do nosso perfil competitivo, permitindo um maior envolvimento na identificação e antecipação de necessidades de qualificação.

Bosch Siemens Electrodomésticos, Lda (BSHP)

A Bosch Siemens Electrodomésticos, Lda (BSHP) orgulha-se de ter como parceira, no que respeita à formação dos seus ativos, a Câmara de Comércio Luso-Alemã/DUAL.

Desde 2002, que a BSHP tem procurado a melhoria contínua e a valorização dos seus ativos mais importantes, os colaboradores, valorizando as suas competências profissionais e nessa demanda, as ações de formação ministradas pela Câmara de Comércio Luso-Alemã têm-se revelado ao longo dos anos um apoio importante, em muitos casos permitindo valorizar não só o aspeto profissional, mas igualmente o aspeto social dos seus formandos.

Encontrando-se as empresas inseridas numa sociedade altamente competitiva, torna-se cada vez mais importante o papel da Formação Continua na vida das empresas e dos seus colaboradores, permitindo assim, uma adaptação permanente às constantes alterações que se verificam no mercado, conseguindo desta forma manter as empresas num nível elevado de competitividade perante as demais no seu sector de atividade.

Na BSHP, temos tentado, ao longo dos anos, uma aplicação prática das ações de formação ministradas aos colaboradores, permitindo assim valorizar as mesmas e tentando ao mesmo tempo que os nossos colaboradores sejam mais motivados, pró-ativos e afetos à empresa. Acreditamos que a formação é uma das chaves para o sucesso da empresa e para a motivação e melhoria do desempenho dos colaboradores, são as pessoas que fazem as empresas e não o contrário.

A BSHP tem procurado atribuir aos seus colaboradores um plano de formação onde se valorize a componente profissional dos mesmos, com ações de formação adequadas às funções de cada um, mas ao mesmo tempo, procurando que essas mesmas ações tivessem uma componente comportamental e social. Para tal, o contributo da Câmara de Comércio Luso-Alemã tem sido fundamental, através da organização de ações de formação adequadas e preparadas especificamente para áreas da BSHP. Essas mesmas ações de formação procuram envolver e motivar os colaboradores de cada departamento de forma a obter resultados para o futuro.

É cada vez mais importante que, no seguimento dessas ações de formação, sejam os próprios responsáveis de cada departamento a incutir em si mesmos o espírito criativo de planos de atividades, que permitam motivar os seus colaboradores para um desempenho cada vez mais efetivo.

Por outro lado, igualmente importante é a forma como as ações de formação são desenvolvidas e ministradas de forma a cativar os formandos; nesse aspeto, e de acordo com a experiência que temos tido na BSHP, as ações de formação, que são desenvolvidas para nós e que são ministradas pela DUAL, têm demonstrado um elevado nível de qualidade, tendo sempre a DUAL demonstrado grande preocupação no diagnóstico, desenvolvimento e follow-up das ações de formação realizadas.

A ação de formação deve ser uma atividade proveitosa e não uma missão sem interesse, ou demasiado penoso para quem a frequenta. O resultado depende da forma como é ministrada a ação de formação, sendo as mais cativantes para os nossos colaboradores as que envolvem atividades práticas, com sessões de grupos permitindo encenar situações potencialmente reais.

\"Se você sabe, não se prive de ensinar a quem não aprendeu. O ensino é como o sol a criar um novo dia: a mente clareia para quem ensina e ilumina-se para quem aprende.” -Inácio Dantas.

Schmitt+Sohn Elevadores.

Os valores fundamentais da Schmitt+Sohn estão formulados na filosofia da empresa: qualidade, seriedade empresarial e aprendizagem diária. Como elementos constituintes da cultura, estes formam o quadro comum de uma estratégia de longo prazo concentrada em competências essenciais ou seja em processos eficientes, produtos de alta qualidade e colaboradores qualificados.

A aprendizagem diária é uma pretensão que nos desafia em toda a empresa. Porque o sucesso sustentável na nossa indústria não tem que ver necessariamente com a dimensão de uma empresa. São os colaboradores e a sua disponibilidade para se dedicarem com todo o seu conhecimento e capacidade que fazem a diferença. Por isso, a qualificação e a intervenção das pessoas na empresa constituem a base para uma organização bem-sucedida no dia-a-dia empresarial.

Como empresa tecnológica, vemos no confronto permanente com o estado atual do conhecimento, a condição mais importante para um desenvolvimento inovador. Neste contexto, a formação profissional e a qualificação dos colaboradores da Schmitt + Sohn constitui uma componente importante da aprendizagem diária. Mas também a aprendizagem direta durante o trabalho em equipa, que ocorre para além dos cursos de formação, ocupa um lugar importante na empresa. Vemos o maior potencial sobretudo no facto de na nossa empresa se cruzar o conhecimento obtido ao longo de várias décadas, a experiência e o saber de colaboradores ao serviço da empresa há muitos anos com o novo conhecimento. Em intercâmbio entre as gerações.

A aprendizagem diária significa apoiar as pessoas no seu sucesso pessoal. Reconhecer as suas capacidades e talentos individuais e fomentá-los. Esperamos muito dos nossos colaboradores. Por isso, fazemos tudo para que estes possam encontrar na nossa empresa as melhores condições para o seu desenvolvimento. Num ambiente de trabalho suportado numa cultura empresarial caracterizada por respeito mútuo, criamos um espaço para a liberdade de pensamento e de ação auto-responsáveis, assim como oportunidades para a aprendizagem desde o primeiro dia. Com perspetivas de futuro. Isto gera uma forte comunidade Schmitt + Sohn com a disponibilidade para um desempenho excecional.

As pessoas e os seus talentos individuais são o ponto central das nossas ações. A nossa tarefa central é a de reconhecer e desenvolver os talentos e dessa forma conduzir cada um dos colaboradores ao seu sucesso profissional individual.

Na Schmitt, os formandos do sistema dual trazem os conhecimentos teóricos para a empresa e levam para o estabelecimento de ensino a formação prática adquirida na empresa. Tal dualidade melhora a empregabilidade dos jovens e permite às entidades formadoras responder melhor às necessidades do mercado de trabalho.

Num sistema de aprendizagem dual, parte considerável do processo educativo tem lugar na empresa. O princípio subjacente consiste numa alternância entre a aprendizagem na escola e a aprendizagem em contexto de trabalho na empresa trazendo vantagens para todos os intervenientes.

A realização de estágios possibilita promover formandos identificados com a cultura da empresa e futuros colaboradores com qualificações específicas e necessárias à função que desempenham.

A resposta das empresas aos novos desafios, gerados pela sociedade atual em que vivemos, tem que ser eficaz e eficiente. Inevitavelmente, têm de apostar estrategicamente na formação de todos os que nela estão implicados, proporcionando o desenvolvimento de competências. Assim a formação deve existir numa perspetiva de investimento e não de custo, já que na situação económica e social atual, não existindo muito capital disponível, as empresas dispõem ainda de alternativas de financiamento para os seus investimentos e, neste caso concreto, contam com sistemas de incentivo para o investimento em formação.

A Formação organizada e desenvolvida internamente ou em cooperação com entidades externas, através de protocolos com regras próprias, assume uma dimensão complementar à que se desenvolve internamente com vista à adequada atualização científica e técnica dos trabalhadores em áreas específicas, satisfação de necessidades e aspirações concretas de valorização pessoal e profissional desses trabalhadores refletindo-se necessariamente nos níveis de motivação e desempenho organizacional.

Quando avançamos para um projeto de formação, este deve corresponder às necessidades sentidas pela empresa e não apenas a um cumprimento legal. O ideal será que cada empresa faça avaliação das suas necessidades de formação de forma contínua, através da análise sistemática do processo de negócio bem como a deteção das carências ao nível de competências. Daí que, o critério subjacente à escolha do programa de formação não deverá ser única e prioritariamente o critério financeiro mas antes aquele cujo resultado se concretize num aumento de produtividade ou, então, no anular se não em todo em parte, os erros ocorridos e que sistematicamente corroem a produtividade da empresa.

Dar formação é sinónimo de desenvolvimento de competências, que se concretizam na capacidade de executar maior carga de trabalho no menor tempo possível.

REFERÊNCIAS

CALENDÁRIO DE CURSOS

Técnico de Mecatrónica Automóvel

INÍCIO A 01 SET 2017

Saber mais...

NOTÍCIAS

Aumento da Produtividade Através da Aplicação da Metodologia REFA

30 JUN 2012

Ler mais...